terça-feira , 23 Janeiro 2018
O prefeito de Manaus, Arthur Virgilio Neto quer disputar a  previa presidencial com Geraldo Alckmin

‘Do jeito que está, PSDB não chega nem ao segundo turno’, diz Arthur Virgílio

Brasil – Tucano histórico e um dos fundadores do partido, Arthur Virgílio Neto, atual prefeito de Manaus, quer disputar as prévias do PSDB com Geraldo Alckmin para  que a legenda escolha o melhor candidato.

Sem a certeza de que haverá prévias e com pouca interlocução com parte da cúpula, Virgílio se tornou um dos principais críticos do partido. Para ele, da forma como está hoje, o PSDB não chega nem ao segundo turno da corrida eleitoral de 2018.

Em entrevista à coluna, o tucano, que foi líder do governo Fernando Henrique Cardoso na Câmara dos Deputados e ministro-chefe da Secretaria da Presidência, defende que o PSDB precisa tomar posições claras e fortes, o que, na visão dele, não tem feito nem no parlamento e nem na pré-candidatura de Geraldo Alckmin.

— Eu vejo uma forçação de barra dele [Geraldo Alckmin] danada. Querendo se colocar como fato consumado e esperando crescer nas pesquisas. Hoje o PSDB passaria longe do segundo turno. E passa longe do centro com a declaração de que não irá punir os infiéis na votação da reforma da Previdência. Eu quero saber o que eles [PSDB liderado por Alckmin] vão fazer, mas não querem debater comigo. O que sei é que ele não vai a lugar nenhum.

Arthur Virgílio se ressente de não ser consultado em um momento importante para o partido que ajudou a fundar. Ele frisa que se dedicou por 30 anos à legenda.

— Geraldo Alckmin tem um obstáculo que sou eu. Se ele não passar é porque não é um candidato forte. Meu currículo no PSDB é melhor do que o dele. Eu enfrentaria Lula. Mas nunca fui admitido. Nunca fui admitido como um patrício greco, sou de um estrato inferior, talvez um escriba.

Alianças

Para o prefeito, o partido não deveria fazer alianças a ‘qualquer custo’, com partidos com visões diferentes, só para ter mais tempo de rádio e TV durante a campanha.

— Ele fica levando ultimato de partidos que dizem que ele tem que crescer. E leva ultimato para ter tempo de televisão. Fica brigando por tempo de televisão. Ele fica esperando alianças com partidos que não interessam ao PSDB só para ter mais tempo de TV.

Questionado se é contrário a qualquer aliança, e se defende uma candidatura pura do PSDB, Virgílio disse que não, que é possível fazer alianças, mas não ‘qualquer aliança’. E acrescenta que há outros possíveis candidatos que seriam mais fortes que Geraldo Alckmin.

— Acho que Geraldo pensa que é o candidato do centro mas não é. Há no centro possíveis candidatos mais credenciados do que ele. Henrique Meirelles é um candidato credenciado, arrumou a economia. Alckmin também errou ao ter anunciado Persio [Persio Arida, futuro coordenador econômico da campanha da Alckmin]. Poderia ter trabalhado com ele, mas anunciou só em função da credibilidade.

Posições claras

Para exemplificar o que entende por ‘tomar posições claras’, Arthur Virgílio defendeu o aborto, a liberação da maconha e as privatizações.

— Minha posição é mais crítica. Eu digo tudo o que penso. Mulher deve se submeter a aborto se quiser e não ficar à mercê de clínicas clandestinas. Defendo políticas de segurança muito amplas, com políticas sociais para combater o tráfico.

Com ajuda psicológica aos viciados, ajuda pela Estado. Deve-se liberar a maconha. Whisky não é liberado? Sou a favor de privatizar, menos a Eletronuclear, por ser ligada a Segurança Nacional. Sou definido em tudo.  Mas eles acham que eu não mereço. Preferem perder para alguém igual do que perder para o novo.

E para concluir, o tucano diz que seu papel agora, ‘é derrubar o patriciado do PSDB’.

Amazonianarede-R7/Coluna do Fraga

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by keepvid themefull earn money